VEM CELEBRAR A VIDA – PRÉ CURSO DE BIODANZA ( Julho e Agosto)

A Dança é celebração… mas o que será esta febre, capaz de se apoderar de qualquer criatura (até as aves dançam) e agitá-las até ao frenesim, senão a manifestação muitas vezes explosiva do instinto da vida, que apenas aspira a rejeitar toda a dualidade do temporal para reencontrar de uma só vez a unidade primeira em que corpos e almas, visível e invisível se encontram e se fundem, fora do tempo, num só êxtase? Como atingir essa libertação com a dança da vida – a Biodanza?

O convite que vos faço para este final de Julho e todo o mês de Agosto, é o de participar numa sequência de 5 Aulas Abertas (que também poderemos chamar de pré-curso), para descobrir e recuperar o sabor e o êxtase de viver uma vida inteira e plena, através da Biodanza, um método vivencial criado pelo chileno Rolando Toro (1924-2010) e que se pratica em grupo, semanalmente, de forma regular. É um processo, pelo facto de ajudar na integração dos pressupostos que a Biodanza incorpora na integração da identidade: expressar-se nos 3 níveis de conexão (eu, eu-tu, eu-nós) e nos 5 potenciais genéticos (vitalidade, sexualidade, criatividade, afectividade e transcendência), de forma a ajudar a responder às principiais questões existenciais (onde viver? com quem viver? o que fazer?) e assim ter recursos para adoptar um estilo de vida mais saudável e gerador de saúde e bem-estar.

Apesar da dança só per si trazer inúmeros benefícios aos seus praticantes, a Biodanza é, especificamente, um meio de desenvolvimento humano, e não um trabalho corporal que vise alcançar uma determinada performance física, ou uma expressão apenas com finalidade lúdica. O propósito da Biodanza vai muito para além disso, porque foi concebida como um modo de promover a expressão dos potenciais saudáveis do ser humano e a alegria de viver, através de encontros em grupo, mediados pela música e pela dança. Uma forma de “ser no mundo” que expressa (segundo o princípio biocêntrico) o movimento de conexão com a vida e a integração do homem ao universo, privilegiando assim movimentos mais espontâneos, porque como escreveu Garaudy “se pudéssemos dizer uma certa coisa, não precisaríamos dançá-la”.

Em todas as vivências os participantes são convidados a expressar-se conforme as suas possibilidades, procurando escutar o seu corpo e criar uma dança própria, induzida pela música; o movimento nasce de dentro para fora, conforme a vontade e o sentir de cada um, embora pautado pelo facilitador. Na vivência, e pela comovente sensação de estar vivo,  o participante conecta-se com sua natureza e com um saber primordial que existe em seu próprio corpo, cujos instintos, o guiam à auto regulação da vida. Nas vivências, a dança promove uma percepção mais integrada de si mesmo, na qual o eu não se coloca como objecto sobre o qual se procura reflectir, mas como sujeito que se compreende em sua verdade vivida. Nelas não há dissociação entre mente e corpo, mas um corpo que, por meio do movimento, bebe na fonte da vida. Trabalha-se assim o corpo e vai-se desenvolvendo uma consciência ampliada de si mesmo e do mundo.

Cabe pois a cada um de nós aproveitar as situações criadas pelo facilitador através das danças de cada uma das Linhas de Vivência (vitalidade, sexualidade, criatividade, afectividade e transcendência) para experienciar o limite de nossa capacidade vivencial, e isso num ambiente protegido, acolhedor e afectivo que é o grupo de Biodanza. Cada uma das linhas de vivência representa um modo de expressão das nossas potencialidades genéticas.

É a partir da potencialidade genética e dos estímulos do ambiente, que o processo evolutivo gerou a sua diferenciação, que fazem da existência uma aventura livre e singular. E o meu convite será o de, cada semana (já a partir desta quinta-feira dia 28 de Julho), vos mostrar em que consiste cada uma dessas linhas, dançando-as, tal como proposto por Rolando Toro.

  • 28 de Julho | VITALIDADE expressa-se pela saúde, ímpeto vital (motivação para a acção) e pela alegria de viver. Algumas características que nos podem dar uma impressão geral de vitalidade ajudando-nos a reconhecê-la são: a harmonia e vigor dos gestos, o brilho e a intensidade do olhar; a agilidade dos movimentos, a expressão da voz e a facilidade para rir.
  • 4 de Agosto |SEXUALIDADE visa encontrar o caminho do prazer, sendo o prazer sexual uma forma de prazer mais geral de viver. A capacidade de prazer manifesta-se de diferentes maneiras, mas podemos ter os seguintes aspectos: a receptividade ao contacto corporal e à carícia, a ausência de culpabilidade, a capacidade de feedback, a sedução, a expressão do desejo e a sensibilização corporal.
  • 11 de Agosto | CRIATIVIDADE baseia-se no instinto exploratório e nos impulsos de inovação presentes nos organismos vivos, e a Biodanza pretende resgatar nossa criatividade reprimida.
  • 18 de Agosto | A vida é curso, mas também tem os seus desvios e neste teremos um tema surpresa que brevemente anunciaremos 🙂
  • 25 de Agosto | AFECTIVIDADE diz respeito à relação com o outro, mediada por nossas emoções e afectos. Na Biodanza procura-se que a afectividade encontre como forma de expressão privilegiada o amor (diferenciado dirigido a uma só pessoa, e indiferenciado dirigido à humanidade). E é, como expressou Rolando, na “relação com o outro que tenho notícias de mim”.
  • 1 de Setembro | TRANSCENDÊNCIA expressa-se através da nossa capacidade de “ir mais além” e na harmonização com a natureza ou na união com o próximo, a partir de uma sensação de conexão, por meio da qual o homem se percebe como parte de um todo maior.

Tal como diz o ditado “Roma e Pavia não se fizeram num dia”, por isso o meu convite é para que experimentes este processo, que leva o seu tempo a percorrer, e venhas a estas 5 Aulas Abertas, prenúncio do que desenvolveremos, de forma mais aprofundada no próximo ano do grupo – curso regular que se iniciará em Setembro, neste caminho de construção e integração da identidade, do prazer e do êxtase.

Vem daí vivenciar uma experiência alternativa, baseada em uma cultura do amor e sentimento e no desenvolvimento de relações sociais pautadas na reciprocidade. Como escreveu Maurice Béjart “a palavra divide. A dança é união. União do homem com seu próximo. União do indivíduo com a realidade cósmica”.

Espero por ti às Quintas | 20:00

Na Rua Rodrigues Sampaio, nº 19A (metro avenida) | Lisboa

Para mais informações e inscrições: 962894374 ou através biodanzanunopinto@gmail.com